A “melhor” opção

Um menino pobre, de uma região carente, tira forças do fundo de seu caráter sabe-se lá de onde e cresce na vida. Vira jogador de futebol? Bom, esse é o destino típico quando esse tipo de coisa acontece no Brasil. Mas não, dessa vez o menino virou presidente.

Pois é, falamos aqui do nosso atual líder destemido presidente, Luís Inácio “Lula” da Silva. Não quero mesmo falar de política, nem de eleições, nem de corrupção, nem de falsidade, nem de cara-de-pau, nem de nada de bom que envolve o assunto. Quero falar sobre cinema.

A polêmica começou quando alguém resolveu lançar a cinebiografia do presidente em ano de eleição. Uma propaganda eleitoral de duas horas, alguns disseram. Mas, olhe pelo lado positivo… você não foi obrigado a assistir. Quem quis ignorar o longa e fingir que nada acontecia – eu! – teve escolha.

Os 128 minutos de projeção abordam desde o nascimento do Lulinha, em Caetés-PE – subúrbio de Garanhuns (cidade da minha tia!) – até a ascensão política do jovem Lula, na década de 80. Bom, até aí tudo bem. Beleza.

A história, brasileira, é o maior retrato do sonho americano. A superação, a vitória, a volta por cima (na vida).

A recepção não foi lá essas coisas, não gerou recorde nenhum. Mas fez sucesso entre os petistas e uma parte da crítica considerou o filme bom tecnicamente. Eu, que só vi o trailer, achei “bonito”. As atuações, pelo que soube, “fazem seu papel” e os atores lembram em maior ou menor grau seus personagens.

Dá uma olhada!

Mas apesar de todos os possíveis contras o filme foi o escolhido, por unanimidade, para representar o Brasil no Oscar de 2011. Eu não concordo. A enquete do Ministério da Cultura não concorda. Meus amigos xingando muito no twitter não concordam. Bom, nada disso vai mudar o fato de que “Lula, o filho do Brasil” vai ser nosso representante.

E apesar de tudo isso, eu acho que entendo. Acho. Visualmente bonito, bom tecnicamente e com uma história hollywoodiana. Depois de “Quem quer ser um milionário?” acho que o caminho pode ser esse (embora o Oscar de melhor filme estrangeiro costume ser um pouco mais alternativo).

A explicação foi bem essa: não é o melhor filme, nem o mais popular. Mas é o que tem mais chances. Pelo menos foi isso que disse Newton Cannito, secretário do Audiovisual. Eu não acho que é o que tem mais chances, mas tem chances.

Nos últimos anos, Lula se tornou um dos personagens mais populares da política internacional. Ele é o cara. Se aqui no Brasil ainda há certa resistência (quanto à pessoa, talvez menos quanto ao seu trabalho), pelo mundo afora ele é sucesso. Em especial nos Estados Unidos.

Assim sendo, não estamos exportando só um cara. Mas o cara. A história de alguém já ligeiramente conhecido pela comissão julgadora do Oscar.

Agora, diz aí… vai ser no mínimo engraçado se, depois de tudo que o Lula conquistou no cenário internacional, ele consiga também trazer pro país nosso primeiro Oscar.

(Não, eu não sou petista. Não, eu não gosto do PT. Não, eu não tenho nada contra o Lula. Não, eu não acho que seu filme deveria ter sido escolhido. Não, eu não vou torcer pra ele ganhar. Mas se ganhar… ganhou, haha. Esse post foi feito também para me convencer de que essa decisão não foi (só?) política)

Links relacionados:

Filme do Lula representa o Brasil no Oscar, Folha de São Paulo

Publicado por: Lê Scalia

Anúncios

9 comentários sobre “A “melhor” opção

  1. Então. Eu também acho que esse é o filme com as maiores chances. Quer dizer, vi pouquíssimos dentre os 23, e mesmo se eu tivesse visto, não teria muito know-how pra saber o que é bom de verdade e o que não é.
    Mas é assim: muitos países irão enviar filmes, acredito que são mais filmes do que gente pra ver tantos filmes.
    Eu acho de verdade que nem todos os enviados serão sequer assistidos. Mas um filme sobre o Lula, figura internacionalmente conhecida, desperta interesse. Então é quase certo que os caras pelo menos vão pegar pra ver. Se isso significa que o filme será indicado, aí já são outros 500, mas acho que a decisão foi certa no sentido de escolher o filme que terá a maior exposição possível dentre os 23 que concorriam.

  2. não sei, mas acho que isso tem muita cara de jogada política… tb acho que a história do filme é o exemplo de american dream.. maaaaaaaaas me falaram que o filme não foi bem recebido pela crítica americana….. :////

    eu acho que Nosso Lar teria muito mais chances… a temática é bem próxima da dos filmes hollywoodianos… massssss vamos ver né… os indicados de verdade saem dia 25 de janeiro!

  3. Eu como lulista não gostei do filme, achei super fraco. Mas, como você, entendi que não foi a qualidade dele que levou ele a ser escolhido, e sim a temática. Num universo em que a Sandra Bullock ganha Oscar de melhor atriz por “Um Sonho Possível” tudo pode acontecer.

    Mas ainda não vai ser dessa vez que o Brasil vai levar um Oscar pra casa.

    1. Olha só, uma lulista que não gostou do filme! Ainda não tinha encontrado nenhum :D, obrigada por comentar, Érika.
      Mas confesso que… #adoro a Sandra Bullock hahaha. Foi o Oscar que eu mais comemorei na vida.

    2. bom, eu acho que se ‘Lula…’ chegar a ser escolhido pra ser um dos indicados….. aí eu acho que temos chances, grandes chances.

      e bem, eu achei digno o oscar da Sandra! hahaha! 😉

  4. Cara, assisti ao filme como se fosse uma história qualquer e não a do Presidente… por isso gostei. Eu não gosto do Lula mas nem vou entrar nesse mérito… A sacanagem é que para as pessoas facilmente “influenciáveis”, se é que me entendem, o filme pode ser decisivo quando o assunto é política.

    Não sei se merece ser indicado… na minha leiga opinião, não é para tanto…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s